The inspiring New Zealand’s Birth model of careO Inspirador modelo de assistência ao Parto da Nova Zelândia


I had the opportunity to travel around New Zealand and besides meeting those beautiful places I also learned a about the birth model of care. A model that made my heart as a midwife, a woman, a dreamer, birth activist, beat faster. That made my eyes full of tears many times, like now.

DSC05135

A model that provides free and equal care for all women, babies and families. No matter the color, race, social class, beliefs, choices. It is simply inspiring.

DSC06985

Maternity System in New Zealand (NZ) developed a model for practice within its unique historical, social and cultural context. It went trough a period of profound changes from a medicalized to a women centered model of care.

All the maternity services are free in New Zealand for residents manly. This include all antenatal care, birth until six weeks after birth.

Most pregnancy and childbirth services are ‘primary maternity services’ done in the community by Lead Maternity Carer LMC. Women and their families/whanau can choose a LMC who is responsible for organizing their maternity care. They can be midwives, general practitioners (GP) and private obstetricians (not free).

Most women and their families choose a midwife (over 75%) as their LMC. They are qualified to care for women in normal pregnancy and birth. They can be a hospital midwife or a independent midwife. Independent midwives have a caseload model of care of around fifty women a year. They give a continuity of care from early pregnancy until around six weeks after the baby is born. All of them have a backup midwife and some work in a team of around 2-6, where they support each other but each one have their own caseload. She may refer the woman to an obstetrician if complications occur and share the care.

DSC06981

Some few GPs in New Zealand are also LMCs, but most of them have discontinued maternity care. They usually provide all of the care in pregnancy, including some minor problems; referring to an obstetrician if serious problems arise. Some of them care for women during labour and birth, possibly with an independent midwife who works with them, or with hospital based midwives. The postnatal care at home is often shared by a midwife.

Obstetricians are specialists in managing complications of pregnancy, childbirth and the post natal period. They can be a private LMC, providing care in normal pregnancies and birth for women that choose to have them and can pay for it. They usually share the care during labor and birth with an independent midwife or hospital midwife and share the post natal care as well.

I stayed at the house of a friend of a friend, she was an obstetrician from US that now works in a secondary maternity hospital in NZ. She said that in NZ, the obstetrician really play their role, that is to take care of complicated pregnancies, birth or post partum. But even in this cases, midwives continue to care for the women and baby, so they can have the continuity of care during pregnancy, birth and post partum (midwives are present in 98% of the births).

Women can choose to give birth at Home (around 7%); Birth centre or primary maternity hospital- just natural births; Private maternity hospital (not free); Large maternity hospital – for complicated pregnancies and if the women choose, the obstetrician is avaliable 24/7;

New Zealand is a country with many rural areas that have only primary maternity care. Sometimes the nearest hospital is several hours away, if there is emergency, a helicopter can transport, but most of the times just an ambulance is ok. But the woman chooses where she wants to have her baby.

Primary Maternity unit with the midwife Jane Scherp, Queenstown. Uma vista maravilhosa desse hospital!
Queenstown Jan Scherp

Primary Maternity unit in Christchurch
Burwood - Primary Hospital at Christchurch
Burwood - Primary Hospital at Christchurch

Larissa Grandi showed me two birth centers in Hamilton:

River Ridge East Birth Centre
Very cozu, colorful and full of life!
DSC04896
DSC04902
DSC04921

Waterford irth Centre
DSC04874
DSC04882
DSC04884
DSC04950

I had the chance to participate of antenatal care with idependent midwives. Most of the times this is at the clinic but it can also happen at home. They do all the care just referring to the obstetrician if the mother present risks during pregnancy.

The midwives have an agreement with the birth centers and hospitals where they can come in with their client. The midwife on shift is the second midwife, and she is called when is necessary in the birth room. If they need extra help with the baby after birth they press a bottom where the neonatologist nurse comes right the way.
At a home birth the midwife goes to the women’s house and call the second midwife when birth in eminent.

I had the opportunity to participate in antenatal care with independent midwives. Most often this is in the clinic, but may also happen at home if is the woman’s desire, without extra costs. They do all the care, tests, and stablish a relationship with the women, refering to the obsterician if it is a complicated pregnancy.

With dear Sue Lennox, she was doing a tour with her client and family at a terciary maternity. But the women said she wants a homebirth.
DSC05812

With the midwife Fiona at the clinic – Domino Midwives – Wellington
Entrevista Shilo

The lovely Brasilian Midwife Larissa Grandi doing antenatal care.
DSC06968
DSC06960
DSC06964

The midwife Shelley
DSC04957

I found it interesting that many midwives use Pager. If women needs to talk to the midwife she calls for the central and leave a message for the midwife, that returns her call. This means that they do not get overloaded with text messages on cell phone and calls.
DSC05802

There are pregnant groups available for women and their partners. Some of them are free of charge at and some are paid. I participated of a free group at a primary hospital with the midwife and writer Lorna Davis. They couldn’t believe when they heard about the cesarean section rates in Brazil. One of the games Lorna would say a topic, like: Do you agree women should have choice for elective cesarean? Some of them said yes, because the woman should be free to choose what’s best for her and have options. The other group said no for some reasons like: birth is natural and this an option that interfere with the natural process and can be harmful, should be used only if necessary; most woman are afraid and uninformed about birth to make this decision. That was interesting to hear…

Pregnant group with Lorna Davis
Pregnant group with Lorna Davis

During labor the women should be free to move, choose the positions she feels more comfortable to have her baby and can deny any procedures. Vaginal exams are not done often, and sometimes not done at all if the woman doesn’t want. It’s recommended to do delay cord clamping, the baby straight into mothers arms after birth and the breastfeeding in the first hour after birth. The midwife does all the baby examination close or with the mother. The baby is not bathed in the first day, unless the parents want it. Vitamin K is given with parents consent. No routine eye drop for the baby.

The placenta is sacred for Maori people. They always bring their placenta home to do a special ceremony (more information about Maori culture of birth soon)

At the hospital women stay around 2 days for a normal birth and 5 days for a cesarean section. But she can go home few hours after birth and receive care from her midwife at home. At the hospitals and birth centers women also receive care from the hospital-employed midwives who are there 24 hours a day 7 days a week.
DSC04891

I participated of some visits post partum with midwives at home and at the hospital. After birth all women should receive a daily visit from their LMC while in hospital and a minimum of seven visits and more if necessary, five of them should be at home. After this period the LMC refer the woman to the local Plunket Nurse who is responsible for the care after this period.

The midwife Fiona doing a 3 weeks post partum visit – Wellington
DSC05786
DSC05777
Lot’s of documents to fill, very complete!
DSC05774

Larissa doing a 3 weeks post partum visit. Detail of the picture: the mother is breastfeeding her other daughter, beautiful!
DSC06996

The birth model of care in New Zealand can be considered the best in the world. But we are human and there is always room to improve ourselves and thus the relationship with other people, whether they are clients, colleagues, friends, family. The diversity also provides a mach for the different range of professionals and women.

New Zealand College of Midwives (NZCOM) have a big concern about the quality of service that is given for women, babies and families. After the midwifery care is completed, every women receive a form were she writes how was she cared, called the feedback forms. The midwive don’t see this paper, it is analized by the NZCOM and if necessary the midwife is advertized and sometimes retrained. Every year all midwives must renew their Annual practicing certificate, passing trough a recertification process.

As one of the UN Millennium Development Goals to improve maternal and child health, I consider this model an example that could be adapted by other countries who want quality care, with great maternal and neonatal outcomes, low cost and based on primary care.

I leave here with a heart full of hope, ideas and plans. Believing that change is possible. Believing it’s possible a change in the whole birth system and the well being of women and babies come before any other interest.

As William Reich said: “Civilization will begin on the day that the welfare of newborns prevail under any other consideration.”

DSC04910

In the next article will explore the historical, social and cultural context that made the development of this model of care possible in New Zealand.

DSC07001

I can just say THANK YOU SO MUCH for all these wonderful people that were part of this wonderful learning journey in New Zealand.

Some datas (By Larissa Grandi):
• Women’s Age average: 30,3
• Vaginal Birth: 64.7%
•Cesarean section: 24.9% (OMS 5-10%)
–14.6% emergency
–10.3% elective
•Instrumented birth: 9.3%
• Birth atended by Midwife: 98%
•Neonatal Mortality: 2,8 por 1000
Maternal Mortalitality: 14 deaths/100,000 live births (2008)
• Place of birth:
– Terciary Hospitais: 42.4% (PN 57.4%)
– Secundary: 41.8% (PN 64.2%)
–Primary: 15.8% (PN 85.9%)
– Home Birth: 7-10%
•Indiction: 19.8%
•Epidural: 28.8%
•Episiotomy: 12.4%

Tive a oportunidade de viajar ao redor da Nova Zelândia e além de conhecer aqueles lugares belíssimos, conheci mulheres, famílias, parteiras, médicos e o modelo de assitência ao parto por lá. Um modelo que fez meu coração de parteira, de mulher, de mãe bater mais forte. Que fez meus olhos brilharem e encherem de lágrimas muitas vezes, como agora.

DSC05135

Um modelo que oferece cuidado gratuito e igualitário para todas as mulheres, bebês e famílias. Não importa a cor, raça, classe social, crenças, escolhas. É simplesmente inspirador.

DSC06985

A Nova Zelândia desenvolveu um modelo de assistência ao parto dentro de seu singular contexto histórico, social e cultural . Através de um período de mudanças profundas, o modelo de assistência ao parto tornou-se uns dos melhores do mundo.

Todos os serviços que englobam a maternidade são gratuitos para os residentes na Nova Zelândia. Isto inclui todo o cuidado pré-natal, parto e até seis semanas após o nascimento.

O cuidado ao processo de nascimento é baseado na atenção primária de saúde. As mulheres e suas famílias (whanau em Maori) podem escolher um LMC – Lead Maternity Carer – cuidador principal na maternidade – que é responsável por organizar a sua assistência. Eles podem ser Midwives – parteiras, médicos clínicos gerais (GP) e obstetras privados.

A maioria das mulheres e suas famílias escolhem uma parteira (mais de 75%) como seu LMC. As parteiras que cito aqui são parteiras formadas, que podem ser enfermeiras obstetras e obstetrizes, elas estudam 4 anos para se tornarem Midwife – Parteira.

A parteiras podem trabalhar no hospital, casa de parto hospital ou de forma parteira independente. Parteiras independentes trabalham com cerca de 50 mulheres por ano. Elas dão continuidade de cuidado, desde o início da gravidez até em torno de seis semanas após o nascimento do bebê. Todos elas têm uma parteira de backup, sendo que a maioria trabalha em uma equipe de cerca de 3-5, onde uma parteira apoia a outra, mas cada um tem a sua própria carga de trabalho. Ela pode encaminhar a mulher a um obstetra se surgirem complicações e eles compartilham o cuidado.

DSC06981

Alguns poucos médicos clínicos gerais também podem ser LMCs (cuidadores primários). Eles podem fornecer todos o cuidado na gravidez, referindo a gestante à um obstetra se surgirem problemas mais sérios. Alguns deles assistem ao parto, geralmente com a preseça de uma parteira de plantão no hospital. O cuidado pós parto em casa é muitas vezes compartilhado com uma parteira.

Obstetras são especialistas em gestação, parto e o período pós-natal que apresentam algum risco ou complicação. Eles podem ser um LMC privado, prestando atendimento em gestações e partos de baixo risco, mas é um serviço privado. Eles normalmente compartilham o cuidado com uma parteira no hospital e os cuidados pós-natal em casa.

Fiquei na casa de uma amiga de uma amiga, que era uma obstetra dos EUA, mas agora trabalha em uma maternidade secundária na NZ. Ela disse que o obstetra que trabalha no setor público na Nova Zelândia realmente desempenha o seu papel, que é cuidar de complicações na gestação, parto ou após o parto. Mas que mesmo nestes casos, as parteiras continuam a cuidar das mulheres e do bebê, para que dessa forma elas tenham uma continuidade de cuidado durante a gravidez, nascimento e pós-parto (parteiras estão presentes em 98% de todos nascimentos).

Há diferentes LMC para todos os diferentes tipos de mulheres! A mulher tem a liberdade de mudar de LMC a qualquer momento.

Em relação ao local do parto: As mulheres podem optar por dar à luz em casa (cerca de 7%); centro de parto normal ou maternidade primária – só partos normais ( médicos cínicos gerais ou parteiras); maternidade privada (não é gratuito); Maternidade secundária ou terciária – obstetra no local ou disponível 24hrs por dia.

A Nova Zelândia é um país com muitas áreas rurais que possuem apenas maternidades de cuidado primário. As vezes o hospital mais próximo fica algumas horas de distância, se há emergências o helicóptero para transporte pode ser acionado. Mas a mulher escolhe onde ela quer ter seu bebê.

Na maternidade primária com a parteira Jane Scherp, Queenstown.
Queenstown Jan Scherp

Na maternidade primária de Burwood em Christchurch com a parteira local
Burwood - Primary Hospital at Christchurch
Burwood - Primary Hospital at Christchurch

A Larissa me levou para tour em dois Centros de Parto Normal em Hamilton River Ridge East Birth Centre
Esse CPN é muito aconchegante, colorido, cheio de vida!
DSC04896
DSC04902
DSC04921

Centro de Parto Normal Waterford
DSC04874
DSC04882
DSC04884
DSC04950

As parteiras e médicos têm um acordo com os centros de parto normais e hospitais para que possam entrar com suas clientes. A parteira de plantão é a segunda parteira, que é chamada quando necessário na sala de parto. Se precisar de ajuda extra com o bebê após o nascimento eles apertam um botão para chamar a enfermeira neonatologista.
Em um parto em casa, a parteira vai para a casa da mulher e chama a segunda parteira quando nascimento é eminente.

Eu tive a oportunidade de participar do pré-natal com parteiras independentes. Na maioria das vezes este é na clínica, mas também pode acontecer em casa se for o desejo da mulher. Eles fazem todo o cuidado, exame físico, requisição de exames, e geram um vínculo com a mulher, apenas referem ao obstetra se a gestante apresentar riscos durante a gravidez.

A querida Sue Lennox fazendo um tour pela Maternidade terciária com uma de suas clientes e sua familia.
DSC05812

Com a parteira Fiona na clínica – Domino Midwives – Wellington
Entrevista Shilo

A amada parteira brasileira Larissa Grandi fazendo pré natal
DSC06968
DSC06960
DSC06964

Com a parteira Shelley
DSC04957

Achei interessante que muitas parteiras usam Pager. Se a mulher precisar falar com a parteira ela liga para a central e deixa uma mensagem para que a parteira retorne a ligação. Isso faz com que elas não fiquem sobrecarregadas de mensagens de texto no celular e ligações.
DSC05802

Existem grupos de gestantes disponíveis para as mulheres e seus companheiros (as). Alguns deles são gratuitos e outros não. Eu participei de um grupo gratuito em um hospital primário com a parteira e escritora Lorna Davis. Eles não acreditaram quando Lorna falou dos índices de cesáreas no Brasil. Um dos jogos realizados, Lorna dizia um tópico, como: Você concorda que as mulheres tenham opção de cesariana eletiva? Aí as pessoas podiam falar sim, não e não tem opnião formada. Alguns deles disseram que sim, porque a mulher deve ser livre para escolher o que é melhor para ela e tem que ter opções. Outro grupo ficou “em cima do muro”. O outro disse que não, por algumas razões como: nascimento é natural e esta opção é uma interferência desnecessária e prejudicial; a maioria das mulheres estão com medo e pouco informadas sobre o parto normal para tomar essa decisão. Foi interessante escutar!
Pregnant group with Lorna Davis
Pregnant group with Lorna Davis

Durante o trabalho de parto e nascimento a mulher está livre para se movimentar, escolher as posições que ela se sente mais confortável para ter seu bebê e para negar qualquer procedimento. Exames vaginais não são feitos rotineiramente, e às vezes não é realizado se a mulher assim deseja. Episiotomia é realizada quando necessário. Outros procedimentos como enema (lavagem intestinal) ou tricotomia (raspagem dos pelos pubianos), colírio (de nitrato de prata) nos olhos do bebê já foram abolidos ha muito tempo.

É recomendado fazer o corte tardio do cordão umbilical, com o bebê indo direto para os braços da mãe após o nascimento. A amamentação é recomendada na primeira hora após o parto. Todos os exames no bebê são realidados perto ou em cima da mãe. O bebê não é banhado no primeiro dia, a menos que os pais queiram. A vitamina K é administrada com o consentimento dos pais. A placenta é sagrada para o povo Maori. Grande parte deles trazem a placenta para sua casa e fazem uma cerimônia especial (mais informações sobre a cultura Maori de parto em breve)

No pós parto, as mulheres ficam no horpital em torno de 2 dias para um parto normal e 5 dias para uma cesariana. Mas ela pode ir para casa após algumas horas e receber os cuidados de sua parteira em casa. Nos hospitais e centros de parto normal, as mulheres também recebem cuidados das parteiras e enfermeiras de plantão que estão disponíveis 24 horas por dia.
DSC04891

Eu participei de algumas visitas pós-parto em casa, com parteiras. Após o nascimento, todas as mulheres deveriam receber um mínimo de 7 consultas pós parto, sendo que 5 delas devem ser em casa. Após este período, o LMC encaminha a mulher à enfermeira local, que é responsável pelo atendimento após este período.

A parteira Fiona fazendo uma consulta pós parto de 3 semanas – Wellington
DSC05786
DSC05777
Elas também tem muita documentação para preencher!
DSC05774

Larissa fazendo uma consulta pós parto – detalhe: quem está mamando é a filha de quase dois anos, lindo!
DSC06996

O modelo de assitência ao parto na Nova Zelândia pode ser considerado o melhor do mundo. Mas somos humanos e sempre há espaço para melhorar a si mesmo e consequentemente a relação com outras pessoas, sendo elas clientes, colegas, amigos, família.

A Associação Nacional de Parteiras (New Zealand College od Midwives – NZCOM) têm uma grande preocupação com a qualidade dos serviços que é dado para as mulheres, bebês e famílias. Quando a assistência chega ao fim, todas as mulheres podem preencher um formulário onde elas escrevem como foi seu cuidado recebido pela parteira, chamado de formulários de feedback do consumidor. Esse feedback é analisado pelo NZCOM e se necessário a parteira é chamada para ser treinada novamente. Todos os anos, todas as parteiras devem renovar seu certificado anual de prática, através de um processo de recertificação.

Eu saio daqui com o coração cheio de esperança, idéias e planos. Acreditando que a mudança é Possível. Acreditando ser possível que o bem estar de mulheres e bebês venham a frente de qualquer outro interesse.

Como já dizia Willian Reich: “A Civilização começará no dia em que o bem estar dos recém nascidos prevalecer sob qualquer outra consideração”.

DSC04910

Sendo um dos objetivos do milênio da ONU melhorar a saúde materna e infantil, considero esse modelo um exemplo que poderia ser adaptado por outros países que desejam uma assistência de qualidade, com ótimos resultados maternos e neonatais, cuidado baseado na atenção primária e baixo custo.

No próximo artigo explorarei o contexto histórico, social e cultural que fez possível o desenvolvimento desse modelo de assistência ao processo de nascimento na Nova Zelândia.

DSC07001

Só tenho a agradecer pelas pessoas maravilhosas que fizeram parte de mais uma jornada de muitos aprendizados!

Alguns dados (Por Larissa Grandi):
•Idade média das mulheres: 30,3
•Taxa de partos normais: 64.7%
•Taxas de cesáreas: 24.9% (OMS 5-10%)
–14.6% de emergência
–10.3% eletivas
•Taxa de partos instrumentais: 9.3%
•Partos atendidos por Obstetrizes: 98%
•Mortalidade neonatal: 2,8 por 1000
Mortalidade Materna: 14 deaths/100,000 live births (2008)
•Local do parto:
–Hospitais Terciários: 42.4% (PN 57.4%)
–Secundários: 41.8% (PN 64.2%)
–Primários: 15.8% (PN 85.9%)
•Domiciliares: 7-10%
•Induções: 19.8%
•Epidural: 28.8%
•Episiotomia: 12.4%

10 thoughts on “The inspiring New Zealand’s Birth model of careO Inspirador modelo de assistência ao Parto da Nova Zelândia

  1. MARIANA

    OI!
    NOSSA ADOREI O BLOG DE VCS! ESTOU FAZENDO MEU TRABALHO DE GRADUAÇÃO FINAL NO CURSO DE ARQUITETURA E ESTOU FAZENDO UM CPN OU UMA CASA DE PARTO, GOSTARIA MUITO Q ME ENVIASSEM MAIS FOTOS DAS ACOMODAÇÕES DESSES LOCAIS SE POSSÍVEL!
    O QUE ME INSPIROU FOI MINHA GRAVIDEZ, MINHA FILHA NASCEU DIA 3 DE JANEIRO EM UM LINDO PARTO DOMICILIAR.
    OBRIGADA MARIANA

    • Mayra

      Oi Mariana!
      Que legal que estás fazendo o TCC em estruturar uma CPN! Se você clicar nas fotos ao lado, vai abrir o flickr e lá tem mais fotos, inclusive de CPN s de outros países. Tem uma na Alemanha que eu me apaixonei! Queria que fosse meu quarto 😉
      Muito legal esse seu projeto e pode servir de modelo para uma nova CPN em algum lugar do Brasil!
      Torço para que muitas sejam implantadas com o projeto cegonha 😉
      Parabéns pelo nascimento da sua filha! Quando a mulher tem uma experiência empoderadora a tendência é querer espalhar mesmo, para que mais e mais mulheres tem essa oportunidade!

  2. Alana

    Olá Mayra, td bem?
    Primeiramente gostaria de te parabenizar pelo programa tão lindo e inspirador.
    A oportunidade que vc teve foi singular. Vc fez aquilo q eu sonhava. Hihihi
    Quero te perguntar uma coisa.
    Eu ja morei na NZ por 6 meses, motivo de intercâmbio.
    Nem sei oq dizer.. Esse lugar é incrível. Sempre quis retornar para morar com a minha família e agora estou atras de uma oportunidade.
    Sou Enfa Obstetra, tive minha filha em casa o ano passado e agora estou engajada no projeto de assistir as gestantes em casa.
    Queria mtu poder exercer aquilo que amo em um lugar como a NZ.
    Vc sabe como funciona isso? Teria que fazer um curso de midwife de 4 anos lá? Tem como validar meu diploma de Enfa obstetra lá? É possível conseguir algo em casas de parto? Atender partos domiciliares?
    Estou ansiosa por essas informações.
    Aguardo seu contato.
    Muito obrigada!
    Bju
    Alana

    • Mayra

      Oi querida!
      A Nova Zelândia é realmente um país incrível em todos os sentidos!
      Sugiro que entre em contato com o New Zealand College of Midwives – http://www.midwife.org.nz/
      Lá elas poderão te orientar melhor!
      Vale a pena se informar e tentar trabalhar por aí 😉
      Abraços,
      Mayra

  3. Oi Mayra,

    Eu moro na Nova Zelândia com meu marido há mais de 5 anos e esse ano tivemos a imensa surpresa da gravidez, com o parto previsto para dezembro. Todo o meu acompanhamento tem sido com a parteira – Hannah, do Ashburton Birthcare Midwives e é realmente um processo espetacular para a mãe. Não me canso de falar pras minhas amigas do Brasil o quanto esse diferença no tratamento é benéfica e natural.
    Se você quiser um ponto de vista de uma mamãe brasileira na NZ, me ponho à disposição!
    Um abraço e obrigada por divulgar essas informações para o público!
    MaFê Macario

    • Mayra

      Que lindo Maria Fernanda!
      A assistência por aí é maravilhosa mesmo!!!
      Claro que gostaria seu relato da assistência durante a gestação, parto e pós parto!
      Seria um grande presente, estar divulgando esse modelo de assistência!
      A Larissa Grandi (procure no FB) é midwife aí na NZ, brasileira e acabou de ter uma linda menina!
      Gratidão,
      Mayra

  4. Roberta

    Ola meu nome e Roberta eu tive uma cesaria indesejada no Brasil e tenho pensado seriamente em ter meu proximo filho em outro pais e estamos pensando na Nova Zelandia. Gostaria de fazer contato para trocar experiencias e ver se isso e possivel. Obrigada

    • Mayra

      Oi Roberta! Como você está?
      Aqui no Brasil temos profissionais maravilhosos, só tem que encontrá-los… não precisaria ir para outro país para receber uma assistência humanizada… eu mesma estou trabalhando no Brasil!
      Grande abraço,
      Mayra

  5. Oi Mayra,
    Sou apaixonada por gestantes, partos e bebês. Sou advogada, mas descobri minha vocação para Doula, já realizei cursos visando este objetivo, acompanhei partos e este ano faço meu curso de Formação em Doula.
    Agora estou com uma grande inquietação, pesquisando me deparei com seu blog.
    Moro no Piauí e as opções para parto humanizado são escassas, há só 1 Maternidade Privada q com muita luta inaugurou uma suíte de parto natural, mas o Plano de Saúde não cobre (deve ser pago por fora, fora a equipe humanizada).
    Bem… o meu estado necessita de uma Casa de Parto, eu quero fazer o Projeto de um CPN Privado, c/ ou s/ fins lucrativos (existe um CPN da Maternidade Publica cujo acesso é dificultado).
    Por favor, pode me dar algumas dicas? O que preciso para abrir uma Casa de Parto? Alguma Fundação Internacional financiaria um projeto desses?
    Desde ja muito obrigada!

Deixe uma resposta para MARIANA Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *