Episode ReflectionEpisódio Reflexão

Now back to Brazil, let’s meet humanized childbirth movement here. We will visit some institutions, talk to professionals and women, that more and more seek information and alternatives for childbirth in Brazil. http://ow.ly/lC78j

ppm_gnt_ep5_english

Sunday, June 02 at 11:30pm on GNT

You can watch online in the link
You have to presss the full screen mode.

Agora de volta ao Brasil, vou mostrar o movimento do parto humanizado por aqui. Vamos conhecer algumas instituições, conversar com profissionais e mulheres, que cada vez mais buscam informações e alternativas para o parto no Brasil. http://ow.ly/lC78j
ppm_gnt_ep5_v2
Domingo, dia 02 de junho às 23h30min na GNT
Você pode assitir online no site
Pressione no modo de Tela Cheia para conseguir assistir.

Contrasts – Episode IV of the Series Birth Around the WorldContrastes – Episódio 4 da série Parto pelo Mundo

Next Sunday we will travel to the the extremes of the world and find out some more about the CONTRAST during child labor. On one hand we have countries with high technology and infrastructure and on the other hand we encounter with lack basic resources. U.S., Vietnam, Germany to Nepal we will see cultural diversity and public policies that lead us down to this different paths.
Birth the World!! Sunday, May 26 at 11:30pm on GNT

ppm_gnt_ep4_ingles

“Diversity serves as a means by which we can learn and evolve” Birth Around the World

You can watch online in the link
You have to presss the full screen mode.

If you haven’t had the opportunity to watch the previous episodes, we have available online a piece of each one of the episodes! Hope you like it!!!No próximo domingo vamos viajar pelos os extremos, conhecer os CONTRASTES do mundo na hora parto. De um lado temos paises com alta tecnologia e infra-estrutura e do outro nos deparemos com a faltam recursos básicos. Dos Estados Unidos, Vietnã, Alemanha ao Nepal veremos a diversidade cultural e as políticas publicas que nos levam por caminhos tão diferentes.
Parto pelo Mundo!!! Domingo día 26 de Maio às 23h30min na GNT

image copy

“As diversidade serve para que nos fazer refletir, aprender e a evoluir.”
Parto pelo Mundo

Você pode assitir online no site
Pressione no modo de Tela Cheia para conseguir assistir.

Se você não teve a oportunidade de assistir os episódios anteriores, no site da GNT tem um trecho de cada capitulo da nosso viagem! Vale conferir!

Previous episodes – Birth around the World Episódios anteriores – Parto pelo Mundo

For those who haven’t had the opportunity to watch the previous episodes, we have available online a piece of each one of the episodes. With information and some curiosities, we show a  little of what we’ve prepare to you with love and affection!! Hope you enjoy!!!

Episode I – Tradition

Episode II – Transition

Episode III – Revolution

Episode IIII – ContrastsPara quem não teve a oportunidade de assistir os episódios anteriores, no site da GNT tem disponível um trecho de cada programa que já foi ao ar.  Com curiosidades e informações o video mostra um pouco do que nós preparemos com muito amor e carinho para vocês! Espero que gostem!!!!

Episódio 1 – Tradição

Episódio 2 – Transição

Episódio 3 – Revolução

Episódio 4 – Contrastes

Birth Around The World – Episode III – RevolutionParto Pelo Mundo – 3º Episódio: Revolução

Revolution, our third episode will be on tv next sunday, May 19 11:30pm (brazilian time) at GNT. We have special interviews with the doctor and researcher Michel Odent, Ina May, Janet Balaskasand and Robin Lim! Passing by Indonesia, United States, England and New Zealand we’ll visit places that are living a revolution. Let’s see inspiring realities and who is behind them.

ppm_gnt_episodio3_english

“The importance of the revolution is to expand the opportunities available to women of how she wants to give birth to her baby” Birth Around the World

You can watch online in the link
You have to presss the full screen mode.Revolução vai ao ar no 19 de maio, às 23h3min na GNT. Vai contar com entrevistas super especiais do médico e pesquisador Michel Odent, Ina May, Janet Balaskas e Robin Lim! Passando pela Indonésia, Estados Unidos, Inglaterra e Nova Zelândia vamos conhecer lugares que passaram por revoluções. Vamos ver realidades que inspiram e quem está por trás delas! Esta lindo!!!

ppm_gnt_episodio3 

“A importância da revolução é ampliar as possibilidades de escolha para a mulher.” Parto Pelo Mundo

Você pode assitir online no site

Pressione no modo de Tela Cheia para conseguir assistir.

Parto Pelo Mundo – Birth Around The World – Episode: TransitionsParto pelo Mundo: Episódio – Transições

The second program will be today, May 12 at 11:30pm, GNT (Brasil time).
Very special day because it is Mother’s Day and Nurse’s Day!

ppm_gnt_ep2

In the next program we will travel to countries undergoing a transition, showing Nepal, Cambodia, Japan and Australia.. In which direction is heading this change?

“The world is in constant transition, and one of the most important in our lives is BIRTH” Birth Around the World

You can watch online in the link
You have to presss the full screen mode.Hoje, dia 12 de maio, segundo episódio da Série Parto pelo Mundo, às 23:30 na GNT!

Fomos presenteados com a data, pois hoje também é Dia das Mães e Dia do Enfermeiro!

Parabénsss!!!! Vamos comemorar assistindo ao Parto pelo Mundo!

ppm_gnt_ep2

Você pode assitir online no site

Pressione no modo de Tela Cheia para conseguir assistir.

Birth Around the World Series – First episodeParto pelo Mundo – Estréia

At the Midwives Day, May 5th, premiered the first episode of Parto Pelo Mundo.

ppm_gnt

The series “Parto pelo Mundo” (Birth Around the World) presents the many facets of birth through a journey around the world.
Mayra Calvette, a nurse-midwife, and her husband, Enrico Ferrari, embarked on an adventurous journey, which lasted the period of a pregnancy, visiting 25 countries for over nine months.
This new TV series is the result of this experience. It is an intimate, unique and personal record of various societies and how birth happens around the globe.
“Parto pelo Mundo” is a new look at the world we live in by the way we’ve got into it.

You can see a piece hereNo Dia Internacional da Parteira, dia 5 de Maio, estréiou Parto Pelo Mundo na GNT!

ppm_gnt

Você pode assistir a um trecho do programa aqui

Birth Around the World Series premiere May 5th Série Parto Pelo Mundo estréia dia 5 de maio no GNT

It’s with great joy and excitement that we announce the premiere of Birth Around the World Series – “Parto pelo Mundo” on May 5th at 11pm on GNT!a local TV channel from Brazil!!
Produced by Cinevideo Produções

Lake Wanaka

Childbirth, anywhere in the world, is a remarkable event that deeply transforms the lives of all involved. An experience that is both common and distinct to all human beings in each and every society.

Camboja

The series “Parto pelo Mundo” (Birth Around the World) presents the many facets of birth through a journey around the world.

DSC09539

Mayra Calvette, a nurse-midwife, and her husband, Enrico Ferrari, embarked on an adventurous journey, which lasted the period of a pregnancy, visiting 25 countries for over nine months.

DSC08361

This new TV series is the result of this experience. It is an intimate, unique and personal record of various societies and how birth happens around the globe. Different points of view guided by the same concerns of a healthy, happy and safe birth for both mother and baby.

DSC09701

Liepzig - visita pós parto com Birke

The couple visited many dwellings and saw children being born in the middle of rice fields in Camboja, others being blessed by butter in Tibet, as well as many more being born in hospital with all the leading technology available today.

DSC00189

DSC00186

They’ve interviewed physicians, nurses, midwives, doulas, fathers and mothers. Women who have revolutionized the health system in New Zealand and those who’ve decided to live in the margins of healthcare in the United States. Furthermore, they’ve investigated the big movement that is currently happening in their home country, Brazil.

Entrevista com Birke Heinrich - Liepzig - Alemanha

Shonan Atsugi

College of Midwives

Visiting clinics, maternity homes, hospitals, villas and residences they’ve created a valuable memoir that displays the birth features of many nations. Interviews were recorded, vídeos, photos, and a travel journal were produced gathering important data of the healthcare system of each one of the country’s visited.

DSC05895

DSC04902

DSC03457

DSC03366

This quest has been intertwined with common activities of a newlywed couple who travels the world experiencing different cultures, practicing sports and viewing unforgettable places of our planet.

West Coast - New Zealand

DSC03419

Camboja

Mayra and Enrico are now back to their homeland to share this experience. “Parto pelo Mundo” is a new look at the world we live in by the way we’ve got into it.

Camboja

Join us, be inspired and part of this movement!

Together we are stronger!

The Big TreeCom muitaaaaa alegria que anunciamos a Estréia da série Parto Pelo Mundo dia 5 de maio às 23:30 na GNT!!! Serão 5 episódios de 26 minutos, com um novo episódio todos os domingos, às 23:30.
Com produção especial da Cinevideo Produções

Lake Wanaka

Em qualquer lugar do planeta o nascimento de uma criança é um acontecimento marcante que modifica profundamente a vida dos envolvidos. Uma experiência que é comum a todos os seres humanos, mas que acontece de modo bastante diverso em cada sociedade.

Camboja

A série “Parto pelo mundo” mostra as muitas facetas do nascimento através de uma viagem de volta ao mundo.

DSC09539

A enfermeira parteira Mayra Calvette e seu marido, o empresário Enrico Ferrari empreenderam essa jornada de nove meses por 25 países, o tempo de uma gestação.

DSC08361

A série é o resultado dessa experiência, um registro único e pessoal de diversas sociedades e do modo como elas lidam com os nascimentos. Pontos de vistas tão diferentes guiados pela mesma preocupação com um nascimento saudável, feliz e seguro para a mãe e bebê.

DSC09701

Liepzig - visita pós parto com Birke

Viram crianças que nasciam em meio de plantações de arroz no Camboja, outras abençoadas pela manteiga do Lama no Tibet e ainda as que nasciam no hospital com toda tecnologia disponível.

DSC00189

DSC00186

Entrevistaram médicos, enfermeiras, parteiras, doulas, pais e mães. Mulheres que revolucionaram o sistema de saúde da Nova Zelândia e as que decidiram viver à margem dele nos Estados Unidos. Além disso, registraram o grande movimento que está acontecendo no próprio Brasil.

Entrevista com Birke Heinrich - Liepzig - Alemanha

Shonan Atsugi

College of Midwives

Visitaram clínicas, casas de parto, hospitais, vilas e residências. Produziram vídeos, fotos e um diário de viagem, onde registraram aspectos da cultura, relatos de parto e dados do sistema de saúde de cada país visitado.

DSC05895

DSC04902

DSC03457

DSC03366

Intercalaram a pesquisa com atividades comuns de um jovem casal que viaja pelo mundo: praticaram esportes, conheceram culturas diferentes, visitaram lugares inesquecíveis.

West Coast - New Zealand

DSC03419

Camboja

Agora voltaram pra dividir essa experiência.
“Parto pelo mundo” é uma maneira de conhecer o mundo pelo modo que chegamos nele.

Camboja

Nos acompanhe, se inspire e faça parte também desse movimento!

Unidos somos uma força muito maior!

The Big Tree

NepalNepal

Cars and motorbikes everywhere, horning all the time! The taxi driver had to swerve because there was a cow in the middle of the street, lounging in the sun, in the midle of urban chaos of Kathmandu, Nepal. The cow is a sacred animal in Nepal. Kathmandu is the capital and most populous city.

DSC09684

We visited many temples and got to know about the culture, religion and customs. The agriculture-based economy. The main religions are Hinduism (80%) and Buddhism (10%).

DSC09642

DSC09434

Home birth assisted by traditional midwives is still very common, especially in the remote villages where the access is limited, with the total of 82% home birth in the country, in urban areas is about 50% (2006), but the conditions are not very favorable, with lack of access to hospital if necessary, lack of training and materials.

There is a great incentive for mother give birth in institutions, the care is free and the mothers receive 1000 rupi ($ 10) for the birth, but they only receive after birth. This is a way they found to increase births in hospital and achieve the Millennium Development Goal number 5 of the UN, which is three-quarters of decreasing maternal mortality by 2015. The maternal mortality rate went down from 539 (1996) to 281 (2006) per 100,000 live births (2006), neonatal mortality is 33 per 1000 live births. The c-section rate is very low, about 2.9% (2006), which shows a lack of access to hospitals. Moreover the rate in urban areas is higher, and some are elective c-section.

I went to hospital in central Kathmandu where the nurse took me for a visit at the Birth rooms, postpartum rooms and also to see the Kangaroo careroom.

DSC00287

I took off my shoes and put a specific one and walked into the Birth room. There were several women in labor with a companion, separated by plastic partitions. I attended two births in a period of 40 minutes. The midwives attend all deliveries. But I felt the saw a mechanic interventionist care. Then they invited me for a tea and I could talk a little more with them. They knew nothing of humanized birth, natural methods of pain relief, different positions for birth. One of the nurses even made an elective caesarean of her daughter, who is now 1 year, so I don’t need to “suffer,” she said. I spoke to them about humanized childbirth that they could adopt, that happens in developed countries and brings many benefits to mother, babies and greater satisfaction for the professional as well! They were interested with this idea.

DSC00317

In the middle of traffic, the cab, I interviewed the president of Midwives Society of of Nepal (Midson). It is a new organization and they are planning on courses for direct entry midwives. Another goal is to humanize birth assistance during birth which is still a very new idea in the hospitals. They also want to replace the lay midwives by professionals midwives in rural areas.

I visited the only birth center of Nepal Aadharbhut Prasuti Sewa (APS), a non-profit NGO established in July 2007. I was very well received by the local midwife, who is one of the founders, and also by a volunteer midwife from England.

They provide care to women and children, including prenatal, birth, postpartum and family planning. It is also a training center for midwives and students, because education is very limited. The major goal is the reduction of maternal and neonatal mortality in Nepal.

They told me that women do not usually get naked during labor, they just lift the skirt when the baby is born. Childbirth happens with the woman lying in bed, but are learning about humanization of childbirth. The water birth is not an option due to lack of water, but also women do not like to be naked. After a few hours the mothers go home and almost all breastfeed their babies.

There are many rituals involved during childbirth, which is the one of the most important rites of passage. Among the Newars, the ethnic group that lives in the Kathmandu valley, the mother gives birth in a dark and quiet room. After birth mother and baby are in retreat in the room for few days. The midwife, Aji, also makes prayers and invokes the protective influence of the Goddess. The placenta is called ‘bush-co-satthi’ which means friend of the baby, she is usually buried. Between four and twelve days after the birth happens a ritual where the baby is formally presented to his family and gets its name. Mothers learn to massage their babies from their mothers.

DSC00264

I hope that Nepal achieves the Millennium Development Goal of the United Nations, and more women have access to healthy food, clean water, and also to health facilities and c-section when they are necessary, but that humanized care can be provided and traditions are preserved, because this is the richness of each culture.

DSC09759

Published at Gisele’s BlogCarros e motos por todos os lados, buzinando o tempo todo! O taxista teve que desviar, pois havia uma vaca no meio da rua, descansando ao sol, no meio daquele caos urbano de Katmandu, Nepal. A vaca é um animal sagrado no Nepal. Katmandu é a capital e a cidade mais populosa.

DSC09684

Visitamos muitos templos e conhecemos um pouco sobre a cultura, religião e costumes do local. A agricultura é a base da economia. As principais religiões são o Hinduísmo (80%) e Budismo (10%).

DSC09642

DSC09434

O parto em casa assistido por parteiras tradicionais ainda é muito comum, principalmente nas vilas mais distantes onde o acesso é limitado, totalizando cerca de 82% de parto em casa no país, sendo que nas áreas urbanas é cerca de 50% (2006), mas as condições não são muito favoráveis, pela falta de acesso ao hospital se necessário, falta de treinamento e material esterilizado.

Há um grande incentivo para que os partos aconteçam em instituições, o cuidado é de graça e as mães recebem 1000 rupi pelo parto (10 dólares), mas elas só recebem depois do parto. Essa é uma forma que eles encontraram de aumentar os partos no hospital e alcançar a Meta de Desenvolvimento do Milênio número 5 da ONU, que é diminuir três quartos da mortalidade maternal até 2015. O índice de mortalidade materna é de 281 por 100,000 nascidos vivos (2006), a mortalidade neonatal é de 33 por 1000 nascidos vivos. O índice de cesarianas é bem baixo, cerca de 2,9% (2006), o que mostra a falta de acesso aos hospitais. Por outro lado nas áreas urbanas o índice é superior, e algumas cesarianas são eletivas.

Fui no hospital no centro de Katmandu, onde a enfermeira local me levou para uma visita pelo Centro Obstétrico, quartos pós parto e quarto de cuidado Canguru.

DSC00287

Tirei meu tênis e entrei no Centro Obstétrico. Havia várias mulheres em trabalho de parto com um acompanhante, separadas por divisórias. Assisti dois partos em um período de 40 minutos. As enfermeiras obstetras que atendem todos os partos. Mas senti que é de uma forma mais mecânica e intervencionista. Depois elas me convidaram para tomar um chá e pude conversar um pouco com elas. Elas não sabiam nada sobre parto humanizado, métodos naturais de alívio da dor, posições para o parto. Uma das enfermeiras inclusive fez uma cesárea eletiva da sua filha, que hoje tem 1 ano, para não precisar “sofrer”, segundo ela. Falei, de forma sutil, sobre o parto humanizado que eles poderiam adotar, como é nos países desenvolvidos e que traz muitos benefícios para mãe, bebê e também maior satisfação para o profissional! Elas ficaram interessadas com essa idéia.

DSC00317

No meio do trânsito, no táxi, entrevistei a presidente da Sociedade de Parteiras do Nepal (MIDSON). É uma organização nova e está se organizando para criar cursos de parteiras profissionais, ou obstetriz. Não há nenhum curso de entrada direta no Nepal, o que existe são enfermeiras obstetras. Outra meta da sociedade é humanizar a assistência durante o nascimento que ainda é um conceito muito novo e pouco conhecido. Eles também querem substituir as parteiras tradicionais pelas profissionais nas áreas rurais.

Visitei a única casa de parto do Nepal, Aadharbhut Prasuti Sewa (APS), uma ONG sem fins lucrativos criada em Julho de 2007. Fui muito bem recebida pela parteira local, que foi uma das fundadoras, e também havia uma parteira voluntária da Inglaterra.

Eles oferecem cuidado à mulher e criança, incluindo pré natal, parto, pós parto e planejamento familiar. Também é um centro de treinamento para parteiras e estudantes, pois a educação é bastante limitada. Um dos principais objetivos é a diminuição da mortalidade materna e neonatal no Nepal.

Elas me contaram que as mulheres não costumam ficar nuas durante o parto, apenas levantam a saia na hora do bebê nascer. E o parto acontece com a mulher deitada na cama, mesmo lá a assistência ao parto segue o modelo ocidental, com medicação, mas estão aprendendo sobre humanização do parto. O parto na água não é uma opção, pela falta de água, mas também por que as mulheres não gostam de ficar nuas. Depois de algumas horas, as mães vão para casa e praticamente todas amamentam seus bebês.

DSC00264

Há muitos rituais envolvidos durante o nascimento, que é dos mais importantes ritos de passagem. Entre os Newars, grupo étnico que mora no vale de Katmandu, a mãe dá à luz em um quarto escuro e silencioso, somente com mulheres. Depois do parto, mãe e bebê ficam em retiro no quarto. A parteira, Aji, também faz as rezas e invoca a influência protetora da Deusa. A placenta é chamada de ‘bucha-co-satthi’ que significa amiga do bebê, ela é geralmente enterrada.

Entre quatro e doze dias após o nascimento, acontece um ritual em que o bebê é formalmente apresentado para a sua família e recebe o seu nome.

Espero que o Nepal consiga atingir a Meta de Desenvolvimento do Milênio da ONU, que mais mulheres tenham acesso ao hospital e à cesariana quando necessário, mas que uma assistência humanizada seja prestada e as tradições sejam preservadas, pois essa é a riqueza de cada cultura.

DSC09759

Publicado no Blog da Gisele

The Happiness in the Kingdom of BhutanA felicidade no Reino do Butão

I could feel the place’s peace rigth the way. A feeling as if I had returned to the past in a time machine. A typical small airport, but the only international airport in the country. Our guide and driver welcomed us with great gentleness and tranquility. You need a guide and driver to be allowed in the country, tourism is very organized and restricted.

IMG_3661

Bhutan is located between China to the north and west, and India to the east and south. It is a small and curious country, with a population of about 700000 inhabitants. The most important index is the Gross National Happiness (GNH). Being possible to assess the country in a sustainable and less materialistic way. The country has a constitutional monarchy, with the King very respected and popular.

IMG_3755

We visited beautiful places, like Taktshang Monastery or Tiger’s Nest. The temple was built in the 17th century, the cave where Guru Padmasambhava, who is said to have meditated for three years, three months, three weeks, three days and three hours in the 8th century. The influence of Buddhism is evident, the culture is focused on Buddhist philosophy and the preservation of Bhutanese traditions.

IMG_3695

On the return of Tiger’s Nest journey there were some women selling some typical products and I asked them how the babies are born there. They said, a little embarrassed to talk about it, they were born at home with the help of the grandmother or another experienced woman who has gone through the experience, they traditionally do not have midwives as profession. I asked her position and showed the kneeling position supported in front.

Home birth is still very common, the introduction of childbirth at hospitals is still very recent. There is an incentive for women to have their babies in hospital. Time was short, but I managed to visit the hospital in the capital. Even the hospital has typical construction. Birth happens in the delivery room, in gynecological position, with a typical and “modern” hospital care, with a certain coldness, as if it were a sign of modernization.

IMG_3898

After knowing the Takin, typical animal of Bhutan, my perception was confirmed through an interview with a traditional family who lived near the takins. They chose to have their babies at home, even living near the hospital. We talked while they were still loom. The grandmother was the one who attended the births, was very important to have her mother by her side. They felt that the house was very cozy and were more hesitant to go to the hospital, on a cold and unfamiliar, strange people that often treat women badly during childbirth, as they heard. The placenta is sacred and most often buried in a special place, where it will be protected from other animals. Maternal mortality is still very high, there are still many villages in remote areas without access to the health center if necessary.

DSC09922

Bhutan was one of the countries that I was mostly enchanted, with their traditions still very alive, as well as the conservation of nature, culture and simplicity of life. But we feel that the modernization process is happening quickly. Young people are very attracted to the western lifestyle, television, internet, Hollywood movies, parties. It was one of the last countries to open up to internet and television in 1999, for example. One concern of the King, who warned that the misuse of television could erode Bhutanese values and traditions.

IMG_3750

It is a challenge to achieve this balance with tradition and modernization, including childbirth, where modernization can increase safety and that the traditions are kept during this important moment that is Birth.

Birth Rate: 18.75 births/1,000 population (2012 est.)
Maternal Mortality: 180 deaths/100,000 live births (2010)
Infant Mortality: 42.17 deaths/1,000 live births (2010)
Neonatal Mortality: 33 deaths/1, 000 live births (2009)

IMG_3605

Published at Gisele’s BlogCheguei e já pude senti a paz do lugar. Uma sensação de que havia voltado no tempo. O Butão é um museu a céu aberto. O aeroporto é pequeno e possui arquitetura típica do Butão, sendo o único aeroporto internacional do país. O nosso guia e motorista nos recepcionaram com muita gentileza e tranquilidade, com as ventimentas Butanesas, chamadas de “ghos”. Você precisa de um guia e motorista para passear no país, o turismo é muito organizado e restrito.

IMG_3661

Butão se localiza entre a China ao norte e oeste, e a Índia ao leste e sul. É um país pequeno e curioso, com uma população de cerca de 700 000 habitantes. O índice mais importante é da Felicidade Interna Bruta (FIB). Sendo possível avaliar o país de forma sustentável e menos materialista. O país possui uma monarquia constitucional, sendo o Rei muito respeitado e popular. O ar é puro, a natureza exuberante, as águas cristalinas dos rios correm naturalmente.

IMG_3755

Visitamos lugares belíssimos, como o Mosteiro Taktshang ou Ninho do Tigre. Quatro horas de caminhada, vale cada passo dado. O templo foi construído no século 17, na caverna onde o Guru Padmasambhava, que meditou por três anos, três meses, três semanas, três dias e três horas no século 8. A influência do Budismo no país é evidente, a cultura é voltada à filosofia budista e à preservação das tradições butanesas.

IMG_3695

Noo retorno da caminhada haviam mulheres vendendo alguns artesanatos típicos e eu perguntei como os bebês nascem por lá. Elas disseram, um pouco envergonhadas de falar no assunto, que elas nasceram em casa, com a ajuda da avó ou de alguma mulher que já tenha passado pela experiência, elas não têm parteiras típicas. Perguntei a posição e ela mostrou a posição de joelhos apoiada na frente.

O parto em casa é ainda muito comum, pois introdução do parto no hospital ainda é muito recente. Há um incentivo para que as mulheres tenham seus bebês no hospital. O tempo era curto, mas consegui visitar o hospital da capital. O parto acontece na sala de parto, em posição ginecológica, com uma assistência hospitalar nos mesmos padrões ocidentais, mas ao mesmo tempo com uma certa frieza, como se fosse um sinal de modernização.

IMG_3898

Depois de conhecer o Takin, animal típico do Butão, minha percepção foi confirmada através de uma entrevista com uma família tradicional que optou ter seus bebês em casa, mesmo morando perto do hospital. Conversávamos enquanto elas continuavam o tear. A avó foi quem assistiu os partos em casa, para a mãe era muito importante ter sua mãe ao seu lado. Elas sentiam que a casa era muito mais aconchegante e ficavam envergonhadas de ir para o hospital, em um ambiente frio e desconhecido, pessoas estranhas que muitas vezes tratam as mulheres mal durante o parto. A placenta é sagrada e na maioria das vezes enterrada em um lugar especial, onde vai estar protegida de outros animais. A mortalidade materna ainda é muito alta, ainda há muitas vilas em áreas isoladas, sem acesso ao centro de saúde se for necessário.

DSC09922

Butão foi um dos países que mais me encantou, por suas tradições ainda muito vivas, assim como a conservação da natureza, da cultura e simplicidade de viver. Mas sentimos que o processo de modernização está acontecendo rapidamente. Os jovens estão muito atraídos pelo estilo de vida ocidental, televisão, internet, filmes de Hollywood, festas. Foi um dos últimos países a se abrir para televisão e internet, em 1999. Uma preocupação do Rei, que alertou que o uso indevido da televisão poderia corroer os valores e tradições butanesas.

IMG_3750

É um desafio que eles estão passando de conseguir balancear as tradições e a modernização, inclusive na hora do nascimento, para que aumente a segurança e que as tradições sejam mantidas durante esse momento tão especial.

Taxa de natalidade: 18,75 nascimentos / 1.000 habitantes (est. 2012)
Mortalidade Materna: 180 mortes/100 000 nascidos vivos (2010)
Mortalidade infantil: 42,17 mortes / mil nascimentos (2010)
Mortalidade neonatal: 33 mortes / 1, 000 nascimentos (2009)

IMG_3605

Publicado no Blog da Gisele

Gentle Birth MarchMarcha pelo Parto Humanizado

Published Agust 3rd Publicado no dia 3 de agosto no Blog da Gisele , escrito por Mayra Calvette

8053_362886363779607_2088760198_n

Gentle Birth: This is the way!

Birth is often seen as a complex medical procedure, in which woman and baby are often subject to routines and procedures imposed by the hospital, which are often unnecessary and harmful.

Fortunately, more and more women are realizing about the “Obstetric Matrix ” that they are inserted into and they are doing informed choices. These choices often are not the common pattern of the society, but which are best for this woman, baby and family. Many choose for a home birth, to be cared by doulas, midwives and obstetric nurses. And unlike what most people think, those are choices that are in accordance with the current scientific research.

In July Regional Council of Medicine of Rio de Janeiro (CREMERJ) published the resolutions nº 265/2012 and 266/2012 which prohibits the involvement of obstetricians in home births and the presence of doulas and midwives in hospital births. These resolutions disregard the most current scientific evidence, the recommendations of WHO and the Ministry of Health. Furthermore, these resolutions do not respect the right of freedom of choice of women, families and from the professionals themselves.

The recommendation of the systematic review of the Cochrane Library (which includes the most current scientific research in health) is that should be offered a model of care promoted by midwives to most women and they should be encouraged to claim this option. In the evaluation of the Cochrane systematic review was concluded that hospitals should implement continuous support intrapartum, integrating doulas in maternity services, since the best maternal and neonatal outcomes are obtained when the continuous intrapartum support is offered by doulas.

I traveled through several countries, meeting different cultures and birth models that work. I realized that the most socially developed countries tend to offer a humane and woman-centered care. Pregnant women have the right to choose their companions during childbirth, are encouraged to have a doula and a birth plan; have the same room for labour, birth and post partum; are part of the of the decision process making and can deny any procedure with her and her baby; have freedom of movement and can choose the position they want have their babies.

The care during labor and birth for low-risk pregnancies is based on obstetrics nurse and midwife and they have the work in a cooperation model of care with obstetricians. Some of these countries I visited, where they are the major care during low risk pregnancy, childbirth and postpartum are: England, Germany, Holland, Austria, Sweden and New Zealand. And all of these countries have excellent rates of maternal and neonatal mortality and cesarean rates much lower than Brazil (2008 data): 24%, 27.8%, 14%, 27%, 17%, 20%, respectively. While in Brazil the rates are 52% of c-sections, 82% in the private sector, the highest rates of c-sections in the world and 25% of women experience violence in obstetric hospitals!

Fortunately the CREMERJ resolutions were suspended on July 30 until the final decision. On Sunday, August 05 will happen a March for the Humanization of Childbirth in some Brazilian cities, including Rio de Janeiro. I invite everyone to participate, I’ll be there at Ipanema beach, at 2 pm!
Let’s move forward Brazil!

folder dentro A4-2
Published on August 3rd at Gisele’s Blog , escrito por Mayra Calvette

8053_362886363779607_2088760198_n

Parto Humanizado: esse é o caminho!

O nascimento é encarado como um complexo procedimento médico, em que mulher e bebê, frequentemente, são submetidos às rotinas e procedimentos impostos no hospital, que são muitas vezes desnecessários e prejudiciais.

Felizmente, cada vez mais as mulheres estão se conscientizando dessa “Matrix Obstétrica” que estão inseridas e estão fazendo escolhas baseadas em informação. Escolhas essas que muitas vezes saem do padrão comum da sociedade, mas que são as melhores para essa mulher, bebê e família. Muitas querem um parto domiciliar, um acompanhamento de doulas, de enfermeiras obstetras e obstetrizes. E ao contrário que muita gente pensa, são escolhas que estão de acordo com as mais atuais evidências científicas.

Quem está por dentro das notícias deve estar sabendo das resoluções nº 265/2012 e 266/2012 do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (CREMERJ) publicadas no dia 19 de julho, que veta a participação de médicos obstetras em partos em casa e proíbe a presença de doulas, obstetrizes e parteiras em partos hospitalares. Essas resoluções desconsideram as mais atuais evidências científicas, as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde. Além disso, essas resoluções desrespeitam o direito da liberdade de escolha das mulheres, famílias e dos próprios profissionais.

A recomendação da revisão sistemática da Biblioteca Cochrane (que reúne as mais atuais pesquisas científicas em saúde) é que se deve oferecer um modelo de atenção promovido por obstetrizes à maioria das mulheres e que elas deveriam ser encorajadas a reivindicar essa opção. Na avaliação da revisão sistemática da Cochrane sobre doulas foi concluído que todos os hospitais deveriam implementar programas para oferecer suporte contínuo intraparto, integrando doulas nos serviços de maternidade, uma vez que os melhores desfechos maternos e neonatais são obtidos quando o suporte contínuo intraparto é oferecido por doulas.

Viajei por diversos países, conhecendo diferentes culturas e modelos de parto que funcionam. Percebi que a maioria dos países socialmente desenvolvidos tendem a oferecer um cuidado humanizado e centrado na mulher. As gestantes têm o direito de escolher seus acompanhantes durante o parto; são encorajadas a terem uma doula e um plano de parto; ficam no mesmo quarto durante o trabalho de parto, parto e pós parto imediato; fazem parte do processo de tomada de decisão e podem negar qualquer procedimento para ela e seu bebê; têm liberdade de movimento e de escolher a posição que querem ter seus bebês.

O cuidado durante o trabalho de parto e parto para gestações de baixo risco é baseado na enfermeira obstetra e na obstetriz, em um modelo de cooperação com o médico obstetra. Alguns desses países que visitei, onde elas são principais provedoras de cuidado durante a gestação, parto e pós parto (de baixo risco) são: Inglaterra, Alemanha, Holanda, Áustria, Suécia e Nova Zelândia. E todos possuem ótimos índices de mortalidade materna e neonatal e índices de cesariana muito mais baixos que o Brasil (dados de 2008): 24%, 27,8%, 14%,27%, 17%, 20% , respectivamente. Enquanto no Brasil temos 52% de cesarianas, sendo 82% no setor privado, os maiores índices de cesarianas do mundo e 25% das mulheres sofrem violência obstétrica nos hospitais!

Felizmente, foram tomadas as providencias necessárias e as resoluções do CREMERJ foram suspensas no dia 30 de julho, até a decisão final. No domingo, dia 05 de agosto, acontecerá uma marcha pela Humanização do Parto em algumas cidades brasileiras, sendo a concentração maior no Rio de Janeiro. Convido todos a participarem, eu estarei lá em Ipanema, posto 9, às 14h.
Estamos no caminho, Brasil!

folder dentro A4-2

526382_364600560274854_1729003995_n
557223_364600640274846_504124187_n
428850_364600720274838_436301454_n
484094_364600806941496_985733916_n
313205_364600860274824_463863764_n
561409_364600946941482_288844061_n
524470_364601043608139_1374446917_n
482126_364601110274799_1047319231_n
304791_364601200274790_1911256560_n
217920_364601343608109_570511493_n
181160_364601446941432_641569649_n
427251_364601513608092_922500492_n