The tipping point and the Midwifery Renaissance in New ZealandO ponto da virada e o Renascimento da Parteria na Nova Zelândia

I had the opportunity to visit the New Zealand College of Midwives, where I did an interview with Karen Gilliland (Chief Executive Officer of the NZ College of Midwives) and Norma Campbell (Midwifery Advisor) from the NZ College of midwives. We asked what was the tipping point that allowed the change from the westernised model of care to a woman centred one.
College of Midwives

With Karen Gilliland and Norma Campbell
College of Midwives

They said some important facts came together and made this change possible with Karen Gilliland in the front line. The tipping point happened in 1990. But we have to understand the New Zealand context the allowed the change of model of care and the midwifery renaissance.

New Zealand Context

There were some crucial factors in the development and success of the NZ midwifery model of care, such as: the groundwork of legislative and/or regulative change; the political astuteness and determination of midwife leaders and home birth consumers presenting a united front; the desire and ability of midwives to embrace change and work differently (1).

New Zealand is a very small country with a populatuon od 4.4 million people. It also has a sparse and spread population. These geographic realities with a small population, enable them to influence politicians. And the political Power is centrilized within a one-house national parliament (1).

They also have a long history of government-funded social services such a health care and education. Private health has not been a popular option for citizens that believe it’s a state duty. But this situation became a increasing burden on the goverment (1). Another factor is that birth was that birth was always primary care based, women would go to the obstetrician if it that was a clinical indication.

New zealanders are also very self reliable and like to do things idependently, and also have a feeling that what they do it is not enough. So they end up doing many inovative things . Women in NZ were the first one to get the vote, the first to register nurses and the second to register midwives (2).

It’s importat to say that for any tipping there are many years before of “getting ready” (2).

There were groups of women and also of midwives that were wanting the change(2). They were determined and committed to improve health services to women, not tolerating disrespect and arrogance from health professionals providing maternity services (3).

Midwives were just a section of nursing, but they were actually midwives. They started to change from obstetric nurses to midwives in the labels hospital doors, tags, so the word started to be out there(2).

Midwives and women joined together in a combined political strategy that would first reinstate midwifery autonomy, secondly enable women to have an option of midwifery care, and thirdly enable the development of direct entry midwifery education to produce a new type of midwife that would be required this autonomous scope of practice (3).

The New Zealand College of Midwives (NZCOM) was created in 1989.The constitution recognised midwives and women as equal members at every level of the organization. Karen Gilliland was elected the first chairperson of the new College, which quickly formed an effective political lobby group during period of rapid legislative changes (1).

The snow ball started to get bigger and bigger. They were ready, just waiting for the right time to come.

The tipping point was a big scandal that happened in women’s health. For years in a hospital a doctor was monitoring women presenting abnormal cervical smears and not treating them, without women being aware , it was an ongoing experiment. When that was discovered and got to the media, people lost faith in the medical system(2). It also resulted on The Code of Health and Disability Services consumer’s Rights, which had a profound impact on formalising the rights of woman during childbirth (4).

At the same time NZ had a government that understood that health was a primary care issue. They had Helen Clark as the minister of the health, that became primer minister later and now she works at the United Nation. She was a feminist and had a huge understand that prevention and health promotion was the key for the health system problems (2).

In 1990 the amendment to the Nurses Act was put before Parliament. Three words were added to the 1977 Nurses Act (that defined midwife as obstetric nurse) – “or registered midwives” . This recognized midwifery as profession and enable midwives to have access to public funding and resources for provision of maternity care from pregnancy trough six weeks post partum(1). Midwives could now be self employed, community based and work within this new model of care.

From 1990 on women could choose to be cared by midwives or doctors for maternity care and where to give birth. Midwives became popular around women and the dominant Lead Maternity Carer (LMC). Home birth also became available for women as part of the maternity system. From 0.3% In 1977 to to around 6% today.

After a period of adjustment the system was set up the way is today, as you read in the article – The inspiring New Zealand’s Birth model of care

New Zealand is a concrete and real example that a change of model care is possible! With all the challenges that they went trough, today they are considered the best Birth Model that work around the world. An inspiring example to be followed 😉

New Zealand is a real and concrete example of a recent change of birth model of care! It was a strong seed planted in fertile soil in favorable conditions that grows lot’s of fruits. I am bring this seed in my heart and always seeding. When the soil is fertile, the conditions favorable and the seed ready it will show its full potential!

1229922169_semeando

BABYSEED

Texto by Mayra and colaboration of Larissa Grandi

1- Hendry, Chris. 2009. “The New Zealand Maternity System: A midwifery renaissance.” In Birth Models That Work, eds. Robbie Davis-Floyd, Lesley Barclay, Betty-Anne Daviss, and Jan Tritten. Berkeley: University of California Press, pp. 55-86.
2- Gilliland, Karen. Campbell, Norma. Calvette, Mayra. Interview for Birth Around the World. Christchurch, New Zealand. Feburary, 2012.
3- Pairman, S. & Donnellan-Fernandez, R. (2006). Professional Frameworks for practice in Australia and New Zealand. In Elsevier (Ed.), Midwifery preparation for practice (1st edition, p. 61-71). NSW: Elsevier.
4- Banks, M. (2000). Homebirth Bound: Meeting the broken wave. Hamilton: Birth Spirit Books Ltd.
Tive a oportunidade de visitar Colégio de Parteiras da Nova Zelândia, onde fiz entrevista com Karen Gilliland (Chefe executiva do Colégio de parteiras da Nova Zelândia – NZCOM) e Norma Campbell (Consultora em Parteria/Obsterícia). Perguntei qual foi o ponto da virada que permitiu a mudança do modelo de assistência ao parto de ocidental para um onde a mulher é o centro do cuidado.
College de Midwives

Com Karen Gilliland e Norma Campbell
College of Midwives

Contexto da Nova Zelândia

Alguns pontos chaves fizeram possível a mudança do modelo de assistência ao parto da Nova Zelândia,
tais como: a mudança da base legislativa; a astúcia e determinação política de líderes parteiras, movimento feminista e consumidores representando uma frente unida; o desejo e capacidade de assumir a mudança e trabalhar de forma diferente por parte das parteiras (1).

A Nova Zelândia é um país muito pequeno com um uma população de 4,4 milhões de pessoas. A população é dispersa e propagada. Com esta realidade geográfica e população pequena, a influencia política foi possível. O poder político nacional é centralizado em uma casa principal.(1).

Eles também têm uma longa história de serviços sociais, saúde e educação gratuitas. A saúde privada não tem sido uma opção popular para os cidadãos que acreditam que a saúde é um dever do Estado. Mas esta situação tornou-se uma carga crescente sob o governo (1). Outro fator é que a assistência ao nascimento sempre foi considerada atenção primária, as mulheres eram encaminhadas para o obstetra se tivessem uma indicação clínica, como acontece até hoje.

Os neozelandeses também são muito auto-confiantes, gostam de fazer as coisas de forma independente e pensam que nunca é o suficiente. Então acabam fazendo coisas inovadoras. A Nova Zelândia foi o primeiro país a obter o voto feminino e a registrar as enfermeiras e o segundo a registrar as parteiras (2).

Para qualquer “ponto da virada” há muitos anos de preparação.

Haviam grupos de mulheres e também de parteiras espalhados pelo país que estavam querendo a mudança há décadas (2). Elas estavam determinadas e empenhadas em melhorar os serviços de saúde para as mulheres, não tolerando o desrespeito e arrogância por parte dos profissionais de saúde que prestavam serviços de maternidade (3).

As parteiras eram apenas uma seção de enfermagem, mas na verdade eram parteiras. Eles começaram a mudar as placas, crachás de enfermeiras obstétricas para parteiras nas portas de hospitais para que a palavra ficasse mais conhecida.

Parteiras e mulheres se uniram em uma estratégia política para restabelecer autonomia da parteira, para que as mulheres pudessem ter opção de cuidados obstétricos e permitir o desenvolvimento da educação com entrada direta para formação de parteiras profissionais / obstetrizes e produzir um novo tipo de parteira que seria necessário para a prática de forma autônoma (3).

O NZCOM foi criado em 1989. Desde sua constituição, mulheres e parteiras profissionais eram reconhecidas como membros igualitários em todos os níveis da organização. Karen Gilliland foi eleita a primeira Chefe Executiva do novo Colégio, e rapidamente formou um grupo que sabia influenciar politicamente em um período de rápidas mudanças legislativas (1).

A bola de neve começou a ficar maior e maior. Elas estavam prontas, apenas esperando a hora certa chegar.

O ponto da virada foi um grande escândalo que aconteceu na saúde da mulher. Por muitos anos em um hospital, um médico estava monitorando as mulheres com amostras cervicais anormais ao invés de tratá-las, sem o consentimento delas. Quando isso foi descoberto e vazou para a mídia, as pessoas perderam a fé no sistema médico de saúde (2). Resultou, também no Código de direito do consumidor aos serviços Saúde e Deficiência, que tiveram um profundo impacto sobre a formalização dos direitos da mulher durante o parto (4).

Ao mesmo tempo a NZ teve um governo que entendeu que a saúde tinha que ser baseada na atenção primária. Helen Clark era a ministra de saúde, que se tornou Primeira-ministra, hoje ela trabalha na Organização das Nações Unidas. Ela era uma feminista e tinha um enorme entendimento que a prevenção e promoção da saúde são fundamentais para os problemas do sistema de saúde (2).

Em 1990, a alteração da Lei Enfermeiros foi colocado perante o Parlamento. Três palavras foram adicionados a Lei de 1977 (onde a parteira foi definida como enfermeira obstétrica) – “ou parteiras registradas”. A partir deste momento a parteira foi reconhecida como profissão e começou a ter acesso aos financiamentos e recursos públicos para a prestar cuidados durante a maternidade – gravidez, parto, até seis semanas pós-parto (1). As parteiras poderiam agora ser idependentes, com o cuidado baseado na comunidade e trabalhando dentro deste novo modelo de cuidado.

A partir de 1990 as gestantes poderiam escolher seu cuidador principal durante a maternidade (Leader Maternity Carer – LMC), podendo ser parteiras ou médicos e também o local do parto. As Parteiras se tornaram populares entre as mulheres, assumindo o cuidado da maioria das gestantes. O parto em casa também se tornou disponível. De 0,3% em 1977 para em torno de 6% hoje (1).

Após um período de adaptação, o sistema foi configurado da forma que é hoje, como você pode ler no artigo – O Inspirador modelo de assistência ao Parto da Nova Zelândia

A Nova Zelândia conseguiu juntar o melhor dos dois mundos. Tecnologia e assistência especializada disponível, mas ainda sim com o foco na normalidade do processo de nascimento. É um exemplo concreto e real de uma mudança recente do modelo de assistência ao parto! Foi uma semente forte plantada em terreno fértil e em condições favoráveis e que dá muitos frutos.
Levo essa semente no meu coração e sigo semeando. Quando o solo estiver fértil, as condições favoráveis e a semente pronta ela mostrará todo seu potencial e florescerá!

1229922169_semeando

BABYSEED

Texto por Mayra e colaboração de Larissa Grandi

1- Hendry, Chris. 2009. “The New Zealand Maternity System: A midwifery renaissance.” In Birth Models That Work, eds. Robbie Davis-Floyd, Lesley Barclay, Betty-Anne Daviss, and Jan Tritten. Berkeley: University of California Press, pp. 55-86.
2. Gilliland, Karen. Campbell, Norma. Calvette, Mayra. Entrevista para Parto pelo Mundo. Christchurch, New Zealand. Feburary, 2012.
3- Pairman, S. & Donnellan-Fernandez, R. (2006). Professional Frameworks for practice in Australia and New Zealand. In Elsevier (Ed.), Midwifery preparation for practice (1st edition, p. 61-71). NSW: Elsevier.
4- Banks, M. (2000). Homebirth Bound: Meeting the broken wave. Hamilton: Birth Spirit Books Ltd.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *