Stork Network – Towards a new model of care Rede Cegonha – Por um novo modelo de assistência

Brazil is currently undergoing major changes in obstetric care. The movement for childbirth humanization is growing and getting stronger every day.

To give the necessary assistance to pregnant women and their children, the Ministry of Health launched in March 2011, the Stork Network strategy, composed of a set of measures to ensure all Brazilians, from the SUS (Brazilian public health system), adequate, safe and humane assistance from confirmation of pregnancy, through prenatal and childbirth, until the first two years of baby’s life. All Brazilian states have joined the Stork Network strategy.

The Stork Network, established under the National Public Health System, is a network of care that aims to ensure women’s right to reproductive planning and humanized assistance during pregnancy, childbirth, postpartum and abortion, as well for the child’s rights of a safe birth and healthy growth and development.

The Ministry of Health is investing $ 4,640 billion until 2014. These funds are invested in building a network care for women and children. “We have to build a welcoming environment for women to feel more secure at this time and, therefore, it is necessary to qualify the physical space and changing practices,” emphasizes the technical area coordinator of Women’s Health, Esther Vilela.

Prenatal care is a priority in the Basic Health Units (BHU). This is where the realization of all the care and prenatal testing happen. Also, at this time, the woman will make the link with maternity and will know, from the first months, where she will have her baby. Because what happens sometimes in Brazil is the lack of vacancies in public maternities, and the pregnant woman has to go from one place to another in labor.

During childbirth Stork Network qualifies health teams to provide humanized and skilled service. There’s a reception with risk classification, comfortable and safe environment for the woman and baby, focusing on quality and humanization of childbirth. A woman has the right to have a companion during labor and special assistance in the event of a high risk pregnancy. Furthermore, the strategy ensures humanized attention to women in an abortion situation. The Stork Network is funding 100% of the construction and funding of Birth Centers and House of the mother, baby and puerpera, 80% of funding for expansion and qualification of beds (ICU, Kangaroo care) and funding the ambience for delivery room in the hospitals, so they can be more welcoming and have “PPP” room (pre birth, birth and postpartum) for the woman in labor to stay in the same room during the process of giving birth.

During the postpartum, Stork Network accompanies the growth and development of children from 0-24 months of age. There is guidance on all necessary care for the woman and her baby, promoting breastfeeding and monitoring of the vaccination calendar. Additionally, moms can have access to information and availability of family planning methods, consultations and educational activities.

Let’s be part of this change! We must take the moment and the Federal Government investment! For this we need committed people who take this project forward so that the Stork Network strategy can be implemented in your city! The world is made of people, we need to make our part so the change can take place.O Brasil está passando por momento importante de mudanças na assistência obstétrica. O movimento pela humanização do parto cresce e se fortalece a cada dia.

Para dar a assistência necessária às gestantes e seus filhos, o Ministério da Saúde lançou, em março de 2011, a estratégia Rede Cegonha, composta por um conjunto de medidas para garantir a todas as brasileiras, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), atendimento adequado, seguro e humanizado desde a confirmação da gravidez, passando pelo pré-natal e o parto, até os dois primeiros anos de vida do bebê. Todos os estados brasileiros já aderiram à estratégia.

A Rede Cegonha, instituída no âmbito do Sistema Único de Saúde, consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada à gravidez, ao parto, ao puerpério e ao abortamento, bem como o direito ao nascimento seguro, ao crescimento e ao desenvolvimento saudáveis. Conta com R$ 9,397 bilhões do orçamento do Ministério da Saúde para investimentos até 2014. Esses recursos são aplicados na construção de uma rede de cuidados à mulher e à criança. “Temos que construir um ambiente acolhedor para que a mulher se sinta mais segura nesse momento e, para isso, é necessário a qualificação do espaço físico e a mudança das práticas”, enfatiza a coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher, Esther Vilela.

No pré natal há uma prioridade de atendimento nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). É nela que há a realização de todo os cuidados e exames pré-natais. Também, será neste momento, que a mulher fará a vinculação com uma maternidade e saberá, desde os primeiros meses, onde terá o seu bebê.

Durante o parto a Rede Cegonha qualifica as equipes de saúde para prestação de atendimento humanizado e especializado. Há o acolhimento com classificação de risco, ambiente confortável e seguro para a mulher e o bebê e foco na humanização e qualidade do parto. A mulher tem o direito a um acompanhante durante o parto e atendimento especial no caso de uma gravidez de risco. Além disso, a estratégia garante atenção humanizada às mulheres em situação de abortamento. A Rede Cegonha está financiando 100% da construção e custeio do ?Centro de Parto Normal (CPN) e Casa da gestante, bebê e puérpera (CGB); 80% de custeio para ampliação e qualificação dos leitos (UTI, Canguru) e financiando a ambiência para os locais de parto, para que as maternidades sejam mais acolhedoras e disponham de quarto PPP(pré parto, parto e pós parto) para que a mulher em trabalho de parto fique no mesmo ambiente durante todo o processo de parir.

Durante o pós-parto a Rede Cegonha acompanha o crescimento e desenvolvimento da criança de 0 a 24 meses de idade. Há a orientação sobre todos os cuidados necessários para a mulher e seu bebê, promoção e incentivo ao aleitamento materno e acompanhamento do calendário de vacinação. Além disso, as mamães podem ter acesso a informações e disponibilização de métodos de planejamento familiar, consultas e atividades educativas.

Temos que aproveitar o momento e o investimento do Governo Federal! Para isso precisamos de pessoas engajadas que levem esse projeto a frente para que da estratégia Rede Cegonha seja implementada no seu município. Vamos fazer a nossa parte para que esta mudança aconteça!

Para maiores informações de como elaborar propostas para rede cegonha clique aqui.

Clique aqui e leia um lindo cordel da Rede Cegonha. Vale a pena!

Publicado no Blog da Gisele

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *